Voltar
02 de maio de 2022

Integração de lojas físicas e online trazem mais retorno de investimento

O Total Economic Impact, encomendado pelo Oto CRM, traz nova perspectiva do mercado de e-commerce, com a retomada do fluxo das lojas físicas

Com o início da pandemia de covid-19, as varejistas passaram por momentos desafiadores em relação às lojas físicas. Mas o cenário apenas acentuou uma realidade que antes passava despercebida por muitas marcas: os vendedores são pontos passivos dentro das lojas, que esperam pelos clientes e muitas vezes são dispensados por eles mesmo quando existem clientes circulando, com tempo e disposição para comprar.

Nos últimos dois anos, as compras online subiram 30% em faturamento e as pessoas se mostram cada vez mais dispostas a abrir mão de se deslocar até a loja para escolher um produto, quando existe a opção de encontrar as mesmas opções no e-commerce. Mas, ainda assim, as compras realizadas em lojas físicas têm ganhado fôlego desde a reabertura dos centros comerciais.

Existe um gap, no entanto, entre o que as lojas físicas e o e-commerce de uma mesma marca oferecem em produtos e serviços para o mesmo cliente. Pensando nisso, nasceu o Oto CRM, empresa que fornece um aplicativo para as marcas empoderarem vendedores para realizar contato com clientes via WhatsApp ou e-mail enquanto estão no ponto físico, integrando, assim, o e-commerce e a loja.

E funciona? É o que responde o novo estudo, encomendado pelo Oto CRM, sobre o desempenho de quatro clientes-chaves, num comparativo do antes e depois de usar a ferramenta. “O primeiro grande resultado que obtivemos é que o Retorno sobre Investimento no aplicativo do Oto é de, em média, 304%. Isso significa que entregamos três vezes mais retorno financeiro para o cliente do que ele investe no Oto”, afirma Guilherme Bohnen, CEO da empresa.

O estudo, divulgado como TEI (Total Economic Impact), tem caráter qualitativo e foi realizado pela Forrester, consultoria norte-americana de pesquisa de mercado que presta assessoria sobre o impacto e potencial da tecnologia para seus clientes e é inédito no Brasil. Foram analisados quatro dos principais clientes do Oto: Renner, YouCom, Souq Store e Lebes.

Para as empresas que trabalham com o Oto, o retorno vem em menos de seis meses de uso. “Muitos vendedores dizem que chegam na loja e ‘fazem o Oto’, se referindo ao uso do app para impactar clientes e trazer as melhores ofertas para cada um deles. É um produto bastante personalizado tanto para a marca quanto para os consumidores”, diz Bohnen.

Outro dado mostrado pelo estudo: o uso do Oto reduziu em 85% o risco de compliance com relação aos dados dos clientes, obedecendo a Lei Geral de Proteção de Dados e zelando pela privacidade de cada um dos clientes. Além disso, os próprios vendedores se beneficiaram com a implantação da plataforma: trabalham cerca de três horas semanais no aplicativo Oto CRM e aumentam as vendas semanais, garantindo também comissões mais altas.

O estudo, que está sendo usado como base para toda a estratégia do Oto CRM para 2022, ainda trás depoimentos dos principais executivos das marcas ouvidas, mostrando a dificuldade que existe no varejo em usar todos os dados obtidos nas compras, online ou não, de forma integrada, de uma forma que direcione as lojas e os vendedores para obter melhores resultados.

“Cada um de nossos clientes, incluindo os que foram acionados durante o estudo, está em um momento diferente da maturidade do negócio. Ao mesmo tempo que, para nós, isso é um desafio, comprova também a eficiência do aplicativo para os mais diversos setores e marcas”, diz Guilherme Bohnen.

Fonte: Revista Exame 

Voltar para notícias